Guia Gessulli
03-Abr-2020 11:35
Biometano

Associação Europeia de Biometano mapeia potencial no continente

Dinamarca e a Alemanha produzem mais biometano do que consomem e o excesso de produção é exportado ou armazenado.

Um estudo realizado pela Associação Europeia de Biogás (EBA) mostra que os países com maior produção de biometano são Alemanha (10.018 GWh em 2018), Reino Unido (3.300 GWh em 2018), Holanda (2.226 GWh em 2018), Dinamarca (1.425 GWh em 2017), Suécia (1.281 GWh em 2018) e França (1.207 GWh). A produção e o consumo de biometano são bem equilibrados na maioria dos Estados-Membros. A Dinamarca e a Alemanha produzem mais biometano do que consomem e o excesso de produção é exportado ou armazenado. Na Suécia, o consumo de biometano dobra sua produção. Isto pode ser explicado porque os incentivos suecos se concentram no lado do consumo, enquanto a maioria dos Estados-Membros tende a subsidiar a produção ou injeção de biometano.

A implementação de medidas de apoio adequadas é essencial para o desenvolvimento futuro do biometano. O valor e a duração do apoio operacional ao biometano diferem amplamente entre os diferentes países e regiões. No que diz respeito ao tipo de apoio, 65% dos produtores de gás renovável têm preferência pela aplicação de tarifas de alimentação. Muitos países relatam a atualização para o biometano como uma alternativa interessante para as usinas de biogás existentes, pois pode ajudar a descarbonizar a grade de gás natural. Esse raciocínio está introduzindo uma mudança dos subsídios ao biogás para subsídios ao biometano. No entanto, ainda dois importantes países do biometano (Áustria e Alemanha) concentram seu esquema de subsídios ao biometano apenas na produção de eletricidade e outros usos finais são suportados apenas em menor grau.

As vias de uso final do biometano são claramente definidas e reguladas em alguns países. Na Suécia e na Itália, a principal aplicação final é o transporte, enquanto no Reino Unido o aquecimento e o resfriamento. A maior parte do biometano da Suécia é usada no setor de transportes devido a um sistema de apoio favorável. Na Itália, o uso de biometano no setor de transporte é facilitado pela infraestrutura já existente e pela frota de veículos com metano. Em 2014, o governo italiano introduziu a primeira obrigação para o uso de biocombustíveis no setor de transportes. Na Alemanha, a maior parte do biometano é usada para produção de eletricidade em unidades de CHP. O uso do biometano como combustível de transporte é indiretamente suportado na Alemanha, através da sua inclusão na lista de combustíveis aceitos para a redução da pegada de GEE das empresas distribuidoras de combustível.

O comércio transfronteiriço de biometano ainda é limitado. Aguardando harmonização européia, está sendo criada cooperação bilateral e multilateral para transferir volumes mínimos de biometano além-fronteiras. Organismos emissores de divulgação ao consumidor final (chamados GoOs), de acordo com o Artigo 19 do RED II, estão sendo lentamente estabelecidos nos Estados Membros da Europa.

O estudo também examina a disponibilidade do consumidor para pagar pelo biometano. Um experimento de escolha permitiu monetizar aspectos ou características individuais do gás renovável e prever as preferências do consumidor. A experiência mostra que as reduções de emissões de GEE em comparação com o gás natural são o aspecto do gás renovável que tem o maior impacto na escolha dos consumidores (29%), seguido de custo adicional em comparação ao gás natural (27%), origem do gás renovável ( 17%) e entrega confiável de gás renovável (14%). O tipo de matéria-prima (9%) e a duração do contrato (4%) desempenham apenas papéis secundários no processo de tomada de decisão.

Redação
Deixe seu Recado