AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Amazonas

Amazonas é o terceiro maior produtor de gás natural do Brasil

Estado é o terceiro maior produtor de gás natural no País, mas é apenas o 24º no ranking nacional de geração de energia solar

Redação com informações de G1
28-Jan-2022 14:47

O Amazonas é uma das potências nacionais na produção de Gás Natural (GN). Porém, ainda tem um longo caminho a percorrer para o desenvolvimento de outras fontes de energias limpas, especialmente a solar, apontada por especialistas como o modelo energético sustentável de maior capacidade para crescimento no estado.

Desde que o Amazonas despontou com o protagonista na produção de GN, após a criação do Gasoduto Urucu-Coari-Manaus, em 2009, o combustível se tornou a principal fonte de energia limpa na região.

No entanto, por mais que seja uma das ferramentas de combate ao efeito estufa, o GN não é propriamente uma fonte de energia renovável, justamente por ser finito.

Por conta disso, especialistas chamam a atenção para o fato de que outras fontes bioenergéticas são subaproveitadas no estado, especialmente a energia solar fotovoltaica, aquela obtida por meio de painéis solares.

Apesar do potencial deste modelo energético, o Amazonas é apenas o 24º estado no ranking nacional de produção de energia solar, com 49,1 megawatts de potência instalada, segundo levantamento realizado pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), realizado neste ano.

Há ainda outras fontes de energia limpa, que não são comumente utilizadas no Amazonas, como as energias hidráulica, eólica, maremotriz e geotérmica, por exemplo.

Qual a produção da energia limpa mais utilizada no Amazonas?
 
Segundo a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), o gás natural é a principal fonte de energia considerada limpa utilizada no estado.

Em 2021, o Ministério de Minas e Energia informou que o Amazonas foi o terceiro maior produtor de gás natural do Brasil, com 14 milhões de metros cúbicos por dia. Esse gás é um combustível fóssil encontrado no subsolo, e é resultado da degradação de matérias orgânicas.

Por que é preciso buscar novas fontes renováveis?
 
A engenheira elétrica e ambiental Carmem Melo lembra que apesar de o crescimento do gás natural na matriz energética do estado ser positivo, é imprescindível se pensar em outros modelos, especialmente pelo fato do GN não ser uma fonte renovável.

"Mesmo sendo considerada uma energia limpa, é bom ressaltar que o GN não é uma fonte renovável, justamente porque não possui a capacidade de ser reposto naturalmente em nosso bioma. Ao contrário da energia solar fotovoltaica, que é um modelo de obtenção de energia que o Amazonas também possui grande potencial, mas ainda não recebe os investimentos como deveria", diz a engenheira.

Quais os potenciais do Amazonas na geração de energia solar?

O engenheiro elétrico Lucas Silva explica que se tratando de produção energética fotovoltaica, território amazonense, por ser coberto pela floresta amazônica e estar próxima à linha do equador, possui algumas desvantagens em relação ao Nordeste e Centro-Oeste do país, mesmo assim, esses aspectos não comprometem o potencial do maior estado do país neste polo de geração de energia.

"Essas características geográficas até podem impedir o estado de atingir grandes níveis de radiação, mas há outros elementos que proporcionam eficiência na produção desse modelo. O território do Amazonas, por si só, que é de tamanho continental, já é algo muito positivo", explicou a engenheiro.

O fato do Amazonas ser caracterizado pelo tempo firme na maior parte do ano também é outro fator que reforçar o potencial do estado.

"Diferentemente de outras regiões, no estado, nós não temos as estações bem definidas. Aqui, faz sol praticamente o ano inteiro, então isso garante uma regularidade em relação à produção de energia solar", concluiu.

Como a luz do sol se transforma em energia?

Lucas Silva explica que a energia solar se transforma em eletricidade após um processo no qual as partículas de luz solar colidem contra os átomos que estão no painel fotovoltaico.

Esse encontro acaba gerando movimento dos elétrons, surgindo, assim, a corrente elétrica de energia solar fotovoltaica.

Energia solar realmente compensa financeiramente?
 
No Amazonas, são, ao menos, cinco empresas atuando no setor. Em um levantamento realizado pelo g1, o preço de instalação de placas solares variou de acordo com o tamanho e consumo de energia dos imóveis ou estabelecimentos.
Uma família que gasta, em média, R$200 de energia deverá desembolsar ao menos R$ 20 mil para a implementação de um sistema de energia solar. Apesar do alto custo, especialistas apontam que o investimentos retornam com o passar dos anos, já que o preço dos gastos pelo consumo mensal com eletricidade despencam.

Há também empresas que instalam painéis em parques solares, e fornecem energia diretamente a residenciais e empresas, onde não há viabilidade para abrigar os painéis.

"Considerando que todo esse sistema de geração de energia dura por mais de duas décadas, é certo que após cinco ou seis anos, os consumidores já sentirão no bolso o retorno desse investimento", comenta Marcelo Lima, um empresário do ramo em Manaus.

Políticas de incentivo

Apesar de ainda estar longe do ideal, a legislação voltada ao incentivo de energias renováveis tem ganhado força no Amazonas.

No final de 2020, o governo estadual sancionou a Lei Nº 5.350, para incentivar o aproveitamento de fontes renováveis de energia, prevendo concessões e isenções financeiras e tributárias para empresas que se dedicam à fabricação e venda de tecnologias de fontes renováveis de energia, levando em consideração a eficiência energética.
 
Já no ano passado, a Assembleia Legislativa do Amazonas (Alema) aprovou, após solicitação da Sedecti, a Lei Nº 5.420 que estabeleceu o novo marco legal do gás natural no Amazonas o que, além de incentivar seu uso, dá segurança jurídica ao setor, e atrai empresas interessadas em desenvolver essa matriz energética no estado.

Assuntos do Momento

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia
30 de Junho de 2022
Energia Limpa

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia

Macaé converte o gás metano, tóxico para a atmosfera, em energia limpa. Inauguração da usina faz parte do Mês do Meio Ambiente

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia
04 de Julho de 2022
Autossuficiência

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia

Geração de energia por esse tipo de recurso, que pode ser obtida por diferentes matérias-primas, conta com financiamento garantido pelo Banco da Amazônia, podendo atender empresas e comunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros
04 de Julho de 2022
Oportunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros

Há chances para estudantes de diversas áreas interessados nos Programas de Estágio ou Jovem Aprendiz da empresa

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis
04 de Julho de 2022
Solar

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis

Facilidades de financiamento a partir de bancos e cooperativas são vantagens estratégicas que ampliam potencial de crescimento

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco
04 de Julho de 2022
Eólica

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco

O novo empreendimento de energia eólica na região de Pernambuco contará com 19 turbinas V150-4,5MW que a Vestas fornecerá e instalará na região

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035
30 de Junho de 2022
Carbono Neutro

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035

A proposta da Comissão Europeia deve contribuir para alcançar os objetivos climáticos do continente, em particular a neutralidade carbônica no horizonte de 2050

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade