Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Energia solar

Aluguel de sistema de energia solar cresce entre condomínios

Modalidade dispensa investimento inicial e reduz conta de luz em até 30%

Exame. invest
01-Fev-2021 09:24

Para baixar os gastos com a conta de luz, condomínios do Rio têm recorrido a uma nova modalidade de acesso a sistemas de energia solar: o aluguel tanto dos equipamentos quanto do serviço. Uma vez contratados, os projetos permitem uma redução entre 10% e 20% do valor da despesa dos edifícios, mas, em alguns casos, a economia pode chegar a 30%.

A instalação da usina nos terraços envolve uma série de procedimentos, que são praticamente todos executados pela empresa fornecedora, sem nenhum custo inicial. O pagamento pelo aluguel dos equipamentos e pela prestação dos serviços só começa a ser feito a partir da geração da energia solar.

A maior facilidade de pagamento é o principal atrativo para os condomínios, uma vez que uma usina de geração de energia solar pode custar até R$ 1 milhão. Somente a administradora Cipa, por exemplo, tem 30 projetos em andamento em edifícios do Rio, após fechar uma parceria com a startup gaúcha Edsun.

“O fato de não haver nenhum custo inicial foi decisivo. Um condomínio não é uma empresa com orçamento disponível para fazer grandes investimentos. Então, tiramos essa barreira”, relata Bruno Queiroz, gerente de Novos Negócios da Cipa.

Segundo ele, a projeção para um condomínio da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, por exemplo, é de redução da conta mensal de energia de cerca de R$ 20.200 para aproximadamente R$ 16.700.

“Quanto menor a conta, menor a economia, claro. Alguns condomínios muito pequenos não têm uma demanda muito alta de energia. Então, o projeto precisa de uma avaliação pra ver se ele se paga. Mas qualquer condomínio de médio pode adotar. Nós temos projetos em condomínios de 100 a 700 unidades”, conta Queiroz.

AveSui2021_dentro

Para se ter uma ideia da economia gerada em condomínios de outras proporções, Cristiano Meditsch, CEO da Edsun, explica que um condomínio que gasta, em média, R$ 10 mil com a conta de luz reduz o valor para algo entre R$ 7 mil e R$ 8 mil, incluído o aluguel do sistema. Ele esclarece que contas a partir de R$ 2 mil por mês já viabilizam a contratação do projeto. E detalha:

“Temos duas fases de aluguel. Na primeira, que pode ser de até 120 meses, amortizamos o investimento. Após isso, o condomínio tem a opção de comprar a usina, pagando mais quatro parcelas no mesmo valor da fase 1. Mas, se não optar pela compra, reduzimos o valor do aluguel por tempo indeterminado para apenas 10% do valor da primeira fase”.

Segundo Meditsch, a preocupação ambiental, uma vez que a energia solar é considerada limpa por não agredir o meio ambiente, tem aumentado cada vez mais entre os condôminos que concordam com a contratação do sistema. Porém, o fator econômico é o que ainda mais pesa na decisão:

“Nas últimas pesquisas feitas pelo setor, quase 93% dos brasileiros que procuram energia solar o fazem por redução de custo. E apenas 2% pela questão da sustentabilidade”.

Paulo Badin, síndico do condomínio Cores da Lapa, no Centro do Rio, conta que durante a realização de uma assembleia os moradores aprovaram a proposta da empresa Hum Energia Renovável, que vai instalar um modelo misto, com 76% da energia produzidos nos terraços dos prédios e 24% fornecidos pela empresa, em forma de aluguel.

“A mensalidade que pagaremos à empresa de energia é 12% mais barata do que a média da nossa conta de luz. Hoje, seria uma economia anual de R$ 130 mil. E a tendência é aumentar esse percentual”, explica Badin, acrescentando que elevadores, Bombas, Lavanderia e aparelhos de ar condicionado são os itens que mais consomem energia no condomínio.

AveSui2021_dentro

O aumento da procura por energia solar tem sido percebido pelas próprias concessionárias de energia do Rio. Segundo a Light, as instalações de microgerações solares, entre os clientes de baixa tensão, cresceram 37% de 2019 para 2020, saindo de 2.128 para 2.864. Já a Enel afirmou que se trata de um mercado recente, mas que tem “boas expectativas de crescimento no futuro”.

Mais detalhes sobre como funciona

  1. O condomínio consulta uma empresa que comercializa sistema solar, que vai analisar a capacidade de geração de energia do condomínio de acordo com a área disponível nos terraços dos edifícios, onde são instaladas as placas solares. Os projetos são sempre desenvolvidos buscando-se suprir 100% da energia necessária para as áreas comuns do condomínio. Mas, caso isso não seja possível devido à área insuficiente nos terraços dos edifícios, para instalação das placas fotovoltaicas, as empresas também desenvolvem projetos para suprir o consumo em 50%, 70%, 80% etc.
  2. O condomínio analisa a proposta da empresa e compara os custos (de aluguel ou compra parcelada dos equipamentos e serviço de manutenção) com o da conta de luz paga.
  3. A proposta do projeto precisa obrigatoriamente ser aprovada em assembleia pela maioria dos moradores, de acordo com a sua convenção.
  4. Uma vez aprovado o projeto, a empresa contratada realiza todos os trâmites burocráticos necessários junto à concessionária.
  5. Segundo a Light e a Enel, concessionárias que atuam no estado do Rio, não há cobrança de taxa específica para o serviço. No entanto, ainda que a geração de energia solar supra todo o consumo do condomínio, permanecem na conta os custos referentes à disponibilidade da rede elétrica e de tributos, como o ICMS.

Assuntos do Momento

Projeto prevê a instalação de 15 usinas solares em Minas Gerais
25 de Fevereiro de 2021
Investimento

Projeto prevê a instalação de 15 usinas solares em Minas Gerais

Startup capixaba CleanClic, plataforma de compensação de energia renovável, integra um projeto de R$ 110 milhões para a construção de 15 usinas fotovoltaicas compartilhadas e uma central hidrelétrica no Norte do Estado.

As baterias que podem tornar o petróleo coisa do passado
01 de Março de 2021
Inovação

As baterias que podem tornar o petróleo coisa do passado

Hoje, enquanto a Califórnia se movimenta continuamente para "descarbonizar" sua economia, essas chaminés estão inativas, e a usina está praticamente desativada

AveSui2021_dentro
ENGIE ultrapassa 1 GW em eólica com início da operação comercial do Conjunto Eólico Campo Largo 2
24 de Fevereiro de 2021
Eólica

ENGIE ultrapassa 1 GW em eólica com início da operação comercial do Conjunto Eólico Campo Largo 2

A unidade é formada por 86 aerogeradores e possui capacidade instalada de 361,2 MW

Em formato híbrido, AveSui adota estratégia de comunicação integrada potencializando os espaços de negócios para os expositores
26 de Fevereiro de 2021
Feira de Negócios

Em formato híbrido, AveSui adota estratégia de comunicação integrada potencializando os espaços de negócios para os expositores

Com uma plataforma digital inovadora e exclusiva, os expositores e visitantes terão uma experiência única em uma feira virtual. No caso das empresas, elas terão todo o suporte das mídias da Gessulli Agribusiness, responsáveis por conecta-las com o seu público-alvo em todo o mundo

Disponible en español Disponible en español
A Finlândia substituirá o Reino Unido como o maior produtor de biomassa elétrica da UE
01 de Março de 2021
Internacional

A Finlândia substituirá o Reino Unido como o maior produtor de biomassa elétrica da UE

Os totais de produção e consumo já se desagregam em E28, contando o Reino Unido, e em E27, excluindo este país

Embrapa realiza webinar sobre o uso de animais mortos  para produção de biogás
25 de Fevereiro de 2021
Biocombustível

Embrapa realiza webinar sobre o uso de animais mortos para produção de biogás

A realização do webinar é da Embrapa Suínos e Aves, com apoio do 3º Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano.

Mais assuntos do momento