AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Opinião

"Agronegócio brasileiro precisa de planejamento estratégico"

Folha Web
23-Jan-2014 08:41 - Atualizado em 20/04/2016 14:45

Um levantamento realizado recentemente pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) aponta que para atender a população global de forma satisfatória, a oferta mundial de alimentos obrigatoriamente deve crescer 20% até 2020. Ainda baseado nas estimativas da entidade, a produção da União Europeia (UE) crescerá 4%, Estados Unidos (EUA) e Canadá 15%, China e Rússia 25% e o Brasil - para que a oferta atinja o número projetado - precisa ascender obrigatoriamente 40%.

Mas será o País capaz de atingir tais patamares nesse curto espaço de tempo? Segundo o ex-ministro da agricultura do Governo Lula (de 2003 a 2006) e Coordenador do Centro de Agronegócios da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Roberto Rodrigues, "é possível, mas não é trivial". Rodrigues recebeu a FOLHA ontem no hotel em que estava hospedado em Londrina. Ele esteve na cidade para ministrar uma palestra acerca das perspectivas do agronegócio brasileiro e sua potencialidade no mercado mundial para as próximas décadas.

Durante a entrevista, o ex-ministro elencou números que comprovam que o Brasil tem tudo para atingir esse patamar de soberania no agronegócio mundial. Nos últimos 20 anos a área plantada cresceu 40%, enquanto a produção de grãos subiu 220%, atingindo um total de 53 milhões de hectares (ha). No ano passado, o saldo comercial fechou em US$ 2,5 bilhões, já o do agronegócio em US$ 82 bilhões. O setor ainda exportou US$ 96 bilhões em 2012, contra US$ 26 bilhões em 2002. "Temos uma condição formidável de atender um tema central do mundo moderno, que é a segurança alimentar. Nossa tecnologia não só é tecnicamente rentável, mas é sustentável, visto que o aumento de área plantada é cinco vezes menor que o da produção. Há terra disponível, gente competente, água e a melhor tecnologia tropical do planeta", complementou Rodrigues.

Mas o que falta para o País, então, assumir essa posição no agronegócio mundial? A resposta está na ponta da língua do ex-ministro: planejamento estratégico que envolva todo o Governo. Diversos ministérios precisam estar envolvidos neste objetivo, já que os gargalos brasileiros envolvem logística, política comercial, política de renda, questões institucionais e cumprimento da legislação em vigor. "O ministério da Agricultura tem que ser um executor da estratégia definida pelo Estado. O presidente da República deve entender que a agricultura é essencial para o País e montar um plano. A última vez que fizemos isso foi no governo Geisel, quando surgiu a Embrapa, há mais de 40 anos", ressaltou ele.

Dos pontos elencados, Rodrigues disse que o País não fez nada pelo setor de logística nas últimas duas décadas. Só agora, segundo ele, o Governo mudou regras das parcerias público-privadas e existe "uma luz no fim do túnel". "Estamos perdendo dinheiro uma barbaridade". Já na política comercial, ele lembrou que enquanto EUA e UE negociam acordos bilaterais, o Brasil fica a "ver navios". "Um terço do mercado agrícola brasileiro é nos EUA e UE. Nossa política comercial é muito tímida e certamente vamos perder mercado se não formos mais agressivos e agregar valor aos nossos produtos".

Outro ponto abordado que precisa de atenção é a política de renda. O seguro rural surgiu no País em 2003 e até hoje apenas 6% dos produtores têm seguro, a grande maioria ligado apenas a questões climáticas. "Mais uma questão difícil é que enquanto o mundo inteiro tem um ministro da agricultura, pesca e floresta, aqui temos vários ministros disputando o mesmo orçamento, prestígio, o que acaba gerando dispersão de recursos e de atenção ao agronegócio brasileiro. É possível o País se tornar uma potência, mas será necessário criar um projeto grande, abrangendo diversas variáveis".

Assuntos do Momento

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia
30 de Junho de 2022
Energia Limpa

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia

Macaé converte o gás metano, tóxico para a atmosfera, em energia limpa. Inauguração da usina faz parte do Mês do Meio Ambiente

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia
04 de Julho de 2022
Autossuficiência

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia

Geração de energia por esse tipo de recurso, que pode ser obtida por diferentes matérias-primas, conta com financiamento garantido pelo Banco da Amazônia, podendo atender empresas e comunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros
04 de Julho de 2022
Oportunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros

Há chances para estudantes de diversas áreas interessados nos Programas de Estágio ou Jovem Aprendiz da empresa

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis
04 de Julho de 2022
Solar

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis

Facilidades de financiamento a partir de bancos e cooperativas são vantagens estratégicas que ampliam potencial de crescimento

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco
04 de Julho de 2022
Eólica

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco

O novo empreendimento de energia eólica na região de Pernambuco contará com 19 turbinas V150-4,5MW que a Vestas fornecerá e instalará na região

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035
30 de Junho de 2022
Carbono Neutro

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035

A proposta da Comissão Europeia deve contribuir para alcançar os objetivos climáticos do continente, em particular a neutralidade carbônica no horizonte de 2050

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade