AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Projeto

AES Brasil cria balcão organizado em blockchain para negociação de energia

Projeto em parceria com a fintech Fohat custou R$ 3,4 milhões; empresa afirma que solução pode favorecer definição de preço em tempos de crise como o atual

Redação com informações de Exame
21-Out-2021 15:15

A AES Brasil, em parceria com a energy tech Fohat Corporation, deu o primeiro passo para incentivar a livre comercialização de energia no país, com foco nas matrizes renováveis e com uma tecnologia totalmente inovadora, baseada em blockchain. O projeto ganha ainda mais relevância em um momento de crise energética no Brasil.

O “Projeto AES Brasil de Energy Intelligence”, desenvolvido nos últimos 18 meses, pretende viabilizar o primeiro balcão organizado em blockchain no país para compra e venda de energia em um ambiente digital, com a existência de uma contraparte central, que garante a custódia e a liquidação de contratos de energia.

A solução desenvolvida para o mercado brasileiro é uma plataforma de trading online que oferece integração com outras soluções externas para comercialização de contratos de energia e também de certificados de energia renováveis, no mesmo ambiente com uso da tecnologia blockchain.

Desenvolvida pela Fohat, a solução atua pretende resolver três grandes dores do setor: a conexão VPP (Virtual Power Plants) à mesa de comercialização (que hoje é um sistema analógico); a compra de certificados de energia renováveis (I-REC) e energia em um único ambiente, 100% digital; e infraestrutura para a criação do primeiro Balcão Organizado em blockchain.

“As funcionalidades foram testadas e comprovadas com potenciais clientes, por isso, acreditamos que a implementação dessa solução no setor possa trazer maior transparência, confiança e rastreabilidade para as transações bilaterais no mercado de energia, reformulando a maneira como o segmento funciona”, disse Julia Rodrigues, gerente de P&D e Inovação da AES Brasil, ressaltando que além da rapidez e segurança na gestão de ativos e risco, a plataforma oferece possível integração de VPPs (Virtual Power Plants) com a mesa de comercialização.

A iniciativa antecipa o futuro de mercado livre de energia no país, previsto no projeto de lei 414/2021, que já passou pelo Senado e aguarda votação na Câmara. O PL prevê a abertura total do Mercado Livre de Energia, facilitando a migração de mais de 80 milhões de consumidores para um modelo de compra e venda de livre escolha.

O “Projeto AES Brasil de Energy Intelligence” teve início em outubro de 2019 e investimento de R$ 3,4 milhões, por meio do programa de P&D da Aneel. É apontado, inclusive, como uma forma de combater a alta de preços da energia provocada pela crise hídrica que vive o Brasil.

“Esse projeto ajuda a melhorar a infraestrutura tecnológica para o ambiente de negócios do Mercado Livre de Energia, com escalabilidade e segurança. A crise hídrica impacta na formação de preços de energia de curto prazo (PLD) e, neste contexto, melhorar a infraestrutura tecnológica permitirá mais dados para que a curva de preços futura sinalize aos participantes, uma melhor gestão dos riscos associados”, disse à EXAME o fundador e CEO da Fohat, Igor Ferreira.

O uso da tecnologia blockchain para fins que não tem relação direta com investimentos ou compra e venda de criptomoedas têm ganhado força nos últimos anos. Já presente na rotina de grandes corporações como Visa, Walmart, Shell e muitas outras, a tecnologia também é usada em cartórios brasileiros, que buscam digitalizar a otimizar seus processos.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade