AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Energia

Aerogeradores chegam a casas e fábricas no Ceará

Valor Econômico
19-Abr-2012 08:47 - Atualizado em 20/04/2016 14:43

Se forrar o telhado de casa ou da empresa com placas fotovoltaicas para geração de energia solar ainda está longe de se tornar um hábito sustentável no Brasil, o que dizer de quem tem no quintal a sua própria torre eólica? Pois no Ceará, um dos Estados com maior potencial de ventos do país, já é possível encontrar algumas dezenas de aerogeradores trabalhando no varejo, fornecendo energia elétrica em pequena escala para condomínios, concessionárias de veículos e pequenas fábricas.

Na esteira do processo de consolidação do mercado eólico nacional, começam a brotar as primeiras iniciativas no segmento residencial e comercial da geração de energia elétrica a partir dos ventos. Na última terça-feira, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou regras que visam reduzir barreiras para instalação de empreendimentos de geração de pequeno porte, que incluem a microgeração (até 100 KW de potência) e a minigeração (de 100 KW a 1 MW). A norma cria o Sistema de Compensação de Energia, que permite ao consumidor instalar pequenos geradores e trocar energia com a distribuidora local.

É neste contexto que, após um investimento de R$ 12 milhões e alguns meses de testes, a cearense Satrix Energias Renováveis deu a largada na expansão de seu negócio. Instalada em Eusébio, região metropolitana de Fortaleza, a empresa é uma das primeiras fabricantes de aerogeradores de pequeno porte do país. A produção ainda é discreta. Apenas 30 equipamentos estão em funcionamento - todos em Fortaleza e cidades vizinhas. Nos próximos dois anos, porém, a empresa quer ver seus aerogeradores girando em todos os Estados do Nordeste, região com o maior potencial eólico do Brasil. Para isso, terá que investir pelo menos outros R$ 15 milhões, segundo cálculos do empresário pernambucano Marcelo Tavares de Melo, um dos quatro sócios da Satrix.

"Sentimos o crescimento do interesse e decidimos aumentar. Estamos expandindo a fábrica e montando equipes de vendas em Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Alagoas. Em um segundo momento, vamos atacar Bahia, Maranhão e Piauí", disse Melo, que ainda tem planos futuros para a região Sul do país, onde também sopram ventos vantajosos.

Ter uma torre eólica no quintal pode custar menos do que um carro popular na garagem, segundo ele. A versão mais barata - com 1,2 kW de potência - sai a R$ 26 mil, incluída a instalação. O aerogerador mais potente da Satrix chega a 50 kW, suficiente para abastecer uma pequena fábrica. "Há casos em que podemos instalar mais de uma torre, o que pode aumentar a capacidade de geração", reforçou o diretor técnico da empresa, Alexandre Holanda.

A instalação, que leva cinco dias, é precedida de uma análise de viabilidade dos ventos no endereço pretendido. Assim como acontece na geração solar, a energia produzida no aerogerador doméstico não é necessariamente utilizada pelo dono da torre. "Um inversor joga essa energia na rede de distribuição e o proprietário a recebe de volta, como compensação", explicou Holanda. Segundo ele, a economia com a conta de luz pode pagar o investimento na torre em um período de cinco anos, em média.

Melo explica que o surgimento do mercado residencial é resultado da popularização desta fonte. A ocorrência de leilões periódicos para a compra da energia proporcionou maior segurança aos investidores. O processo tornou mais competitivo o preço da energia eólica, que representa menos de 2% da matriz energética do país. Apesar dos avanços, a baixa produtividade dos parques já instalados dá margem a dúvidas quanto ao cenário futuro para as eólicas.

"As principais fabricantes de equipamentos de grande porte, como Suzlon, Vestas e Führlander, não atuam no nosso segmento", disse ele, que tem apenas a Enersud, do Rio, como concorrente. O índice de nacionalização das torres da Satrix é de 82%. Torres, pás e naceles são fabricadas pela própria empresa, enquanto que o motor e os dispositivos eletrônicos vêm da Alemanha.

Assuntos do Momento

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia
30 de Junho de 2022
Energia Limpa

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia

Macaé converte o gás metano, tóxico para a atmosfera, em energia limpa. Inauguração da usina faz parte do Mês do Meio Ambiente

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia
04 de Julho de 2022
Autossuficiência

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia

Geração de energia por esse tipo de recurso, que pode ser obtida por diferentes matérias-primas, conta com financiamento garantido pelo Banco da Amazônia, podendo atender empresas e comunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros
04 de Julho de 2022
Oportunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros

Há chances para estudantes de diversas áreas interessados nos Programas de Estágio ou Jovem Aprendiz da empresa

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis
04 de Julho de 2022
Solar

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis

Facilidades de financiamento a partir de bancos e cooperativas são vantagens estratégicas que ampliam potencial de crescimento

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco
04 de Julho de 2022
Eólica

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco

O novo empreendimento de energia eólica na região de Pernambuco contará com 19 turbinas V150-4,5MW que a Vestas fornecerá e instalará na região

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035
30 de Junho de 2022
Carbono Neutro

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035

A proposta da Comissão Europeia deve contribuir para alcançar os objetivos climáticos do continente, em particular a neutralidade carbônica no horizonte de 2050

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade