Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Bioenergia

Abiove participa de reunião da ISO, em Chicago, sobre critérios de sustentabilidade em bioenergia

Abiove
16-Abr-2012 08:43 - Atualizado em 20/04/2016 14:43

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (ABIOVE) participa de hoje até o dia 20 de abril, em Chicago, de importante reunião sobre critérios de sustentabilidade em bioenergia no âmbito da ISO – International Organization for Standardization, instituição criada em 1947 que estabelece normas e padrões técnicos seguidos internacionalmente.

A agenda de trabalho da reunião, da qual participarão 15 países, prevê a discussão de um relatório sobre efeitos indiretos da produção de biocombustíveis relacionados à segurança alimentar e conversão de áreas de vegetação nativa no mundo. Trata-se de um divisor de águas, pois o grupo de estudo do Projeto ISO PC 248, encarregado de analisar 132 trabalhos científicos, chegou à conclusão de que é impossível incluir medidas de efeitos indiretos da produção de bioenergia na norma sobre sustentabilidade.

A ISO trata de normalização e lida com fatos comprováveis e capazes de serem atribuídos a um agente, requisitos indispensáveis a qualquer auditoria em uma empresa, urbana ou rural. A norma de sustentabilidade em bioenergia terá um caráter orientador às empresas, pois informará as etapas e os itens do seu processo produtivo que devem ser avaliados.

A impossibilidade de a ISO estabelecer norma técnica sobre o efeito indireto da produção de bioenergia vai na contramão do que pretende a União Europeia (UE) em sua Diretiva sobre Energias Renováveis, razão pela qual seus delegados se opõem ao relatório da ISO PC 248. Já a delegação brasileira, uma das maiores, trabalhará pela sua aprovação, posição que também é a dos Estados Unidos, do Canadá, da Argentina, Colômbia e do Quênia. 

No Brasil, os integrantes do ‘grupo 4’, que analisou os 132 trabalhos científicos, são da ABIOVE, do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (Cenpes) da Petrobras, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (ICONE).

Daniel Furlan Amaral, economista da ABIOVE e membro da comissão revisora do grupo 4, participou da seleção e análise desses documentos juntamente com membros de outros países. “O grupo recebeu mandato, em 2011, para avaliar criticamente estudos científicos e apresentar resultados sobre os efeitos indiretos da produção de biocombustíveis do ponto de vista da segurança alimentar e da conversão de áreas de florestas nativas. Em cerca de dez meses, analisamos os documentos e chegamos à conclusão de que só pode estar no âmbito da ISO o que tiver nexo causal, ou seja, é preciso atribuir responsabilidade ao causador do efeito em questão, seja ele social ou ambiental. Além disso, o efeito que se presume atribuir ao biocombustível deve ser mensurável e documentável”, diz o economista da ABIOVE.

O desmatamento de uma área para a produção de biocombustíveis, por exemplo, só pode ser objeto de mensuração se for dentro da propriedade em análise. Não é possível normalizar sobre o efeito indireto de tal desmatamento em outra parte do país ou do mundo.

Tome-se como exemplo o óleo de soja destinado à alimentação. Se, em um determinado momento, esse óleo passa a ser usado para a fabricação de biodiesel em algum lugar do mundo, a hipótese é que haverá reposição desse óleo com fim alimentar em alguma outra parte, tal como pela produção de óleo de palma no Sudeste asiático. Outra hipótese, na sequência da primeira, é que essa produção seria feita com base na expansão das áreas de plantio sobre vegetação nativa. Isso, segundo essa forma de raciocínio, permitiria atribuir o desmatamento provocado pela palma ao biodiesel de soja. A dificuldade, porém, em uma norma, é saber a qual produtor atribuir essa responsabilidade. Ainda mais quando o que se tem são meras hipóteses, e não fatos comprovados. Sendo assim, foge do âmbito da ISO estabelecer critérios sobre hipóteses e conjecturas alheios à capacidade de verificação, documentação e controle.

Projeto ISO PC 248 – Esse projeto foi criado em 2009, pela ABNT e pela DIN, a organização de normas e padrões técnicos alemã, no calor das discussões sobre sustentabilidade na área de bioenergia e também da grande preocupação acerca dos programas de incentivo à produção e uso por parte do Brasil, dos EUA e da União Europeia.

O Comitê do Projeto ISO 248 criou quatro grupos. O grupo 1 trata de terminologia (definição de cada termo utilizado). O grupo 2 avalia como aplicar as metodologias de medição de gases de efeito estufa. O grupo 3 cuida de princípios e critérios. O grupo 4 analisa os efeitos indiretos da produção de bioenergia do ponto de vista da segurança alimentar e da conversão de áreas de vegetação nativa.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável
26 de Janeiro de 2022
Green Bond

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável

A emissão feita junto ao BID Invest, membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), foi no valor de USD 100 milhões

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos
26 de Janeiro de 2022
Transição

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos

Carla Argenta explicou que estamos em meio à transição energética e que processo não é simples

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares
27 de Janeiro de 2022
Investimento

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares

Em audiência, representantes de empresa apresentaram projeto de produção de módulos fotovoltaicos no país, que pode contar com apoio do PADIS

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade