Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário B&B

À Rio+20, com o meu carinho: A visão holística na compreensão da Terra - por Thiago H. B. Corrêa

Publicação Exclusiva: Biomassa & Bioenergia
12-Jun-2012 11:57 - Atualizado em 20/04/2016 14:43

Compreender um sistema tão complexo como a Terra é um desafio que demanda tempo. No entanto, me indago se teremos tempo para compreender pelo menos a nós.
 
Seria sorte habitarmos um planeta que nos é tão apropriado? Por que a Terra é o único planeta do Sistema Solar, o único planeta de que temos conhecimento, onde a vida evolui e prosperou? Essas são algumas das perguntas que minha mente limitada busca encontrar respostas. E creio que tais perguntas não são particulares, mas incitam a muitos.
 
Será que Rousseau tinha tanta certeza quando disse que a natureza do homem é boa, mas a sociedade que o corrompe? Não sei! Mas concordo com Bacon: Saber é poder! Tanto que com o saber o homem aprendeu rápido a aprisionar e manipular as pessoas. Poucos possuem poder, porque muitos são proibidos de acessar o saber.
 
Somos tão fiéis e obedientes que fizemos tudo o que Deus ordenou: “Ide e povoai toda a Terra, dominai a toda criatura”. Entretanto, esquecemos o momento de parar, e mais, esquecemos que por mais divina que a Bíblia seja, está sobre posse de mãos maculadas.
 
Evoluímos, conquistamos e povoamos a Terra. Mas o que tudo isso gerou? Um planeta doente e febril. Um planeta transformado, ou melhor, deformado.
 
Nos últimos anos se tornou comum em eventos científicos as temáticas ambientais. Fóruns, encontros e reuniões. Todos discutindo e buscando possíveis mitigações à “doença” da Terra. É lastimável reconhecer que só damos o devido valor para as coisas, depois que as perdemos.  
 
Altas temperaturas, desertificação de áreas férteis, furacões e abalos sísmicos são apenas reações da Terra a todos os danos que a provocamos, e as conseqüências para a humanidade serão provavelmente muito piores do que qualquer guerra. Temos que estar cientes que não é a Terra que é frágil, nós é que somos. O planeta tem resistido a catástrofes muito piores do que as que produzimos e nada do que fazemos o destruirá, pelo contrário, nos destruirá.
 
É evidente que não estamos preparados para reconhecer que somos parte da Terra e não donos desta. Se a culpa de tudo isso está no nosso gene egoísta, já é hora, com todo o avanço genético que nós produzimos, de manipulá-lo e substituí-lo por um gene mais altruísta e menos ganancioso.
 
Por volta do ano de 1800, o governo norte-americano tentou comprar as terras onde viviam os índios Suquamish. Em defesa, o índio chefe responde ao presidente com uma carta aplausível, com as seguintes palavras: “O Presidente em Washington nos diz que deseja comprar nossa terra. Mas como pode alguém comprar ou vender o céu? E a terra? A idéia é estranha para nós. Se não somos proprietários do frescor do ar ou do brilho da água, como pode alguém compra-los de nós? (...) Somos parte da terra e ela é parte de nós. As flores são nossas irmãs. O urso, o cervo, a grande águia são nossos irmãos. As cristas rochosas, o orvalho sobre a pradaria, o calor do corpo do cavalo e o homem, todos pertencem à mesma família. A água em movimento dos riachos e rios não é somente água, mas, sim, o sangue de nossos antepassados. (...) O homem não teceu a trama da vida; ele é apenas um de seus fios. O que faz à trama, faz a si mesmo”.
 
Por que os índios são capazes de interpretar o planeta com essa visão? Será que foi após eles se tornarem civilizados? Ou será após a catequização?
 
Continuo me perguntando, por que a maior parte da humanidade tem como livro de cabeceira a Bíblia e não possui a mesma idiossincrasia? Falta-nos interpretação? Ou interpretamos somente o que nos convêm? Gênesis 2.7: “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra”. Em outras palavras: os mesmos elementos que constituem a Terra se fazem presentes em nossa constituição como animais: água (aproximadamente 71%), ferro, cálcio, carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio entre outros. Assim como os nossos sistemas (cardiovascular, respiratório, nervoso) atuam para manter o organismo saudável, o planeta, com seus sistemas dinâmicos, os ecossistemas, atuam para a mesma finalidade.
 
Como será que seremos lembrados? Os dominadores da Terra? Certamente não! Este mérito já foi conquistado há 3,8 bilhões de anos, durante o éon Arqueano, pelas bactérias. Talvez, seremos lembrados como a praga da Terra. Se existir, é claro, alguém para lembrar.
 
É evidente que alteramos o metabolismo do planeta. E, assim como todo organismo em desequilíbrio, a Terra tem buscado se autorregular.
 
Uma enfermidade pode evoluir para quatro estágios num organismo: a convalescença (cura), a cronicidade, a morte do organismo ou a simbiose, uma parceria baseada no benefício mútuo. Tivemos a chance de um relacionamento harmonioso com a Terra, de simbiose, mas infelizmente nos comportamos como parasitas.
 
O planeta está se autocurando, e não há nada que podemos fazer para cessar este processo. Porém, não somos apenas uma peste sobre a Terra, a qual deve ser eliminada; somos parte dela, e a sua primeira espécie conscientemente inteligente.
 
Amanhã se inicia na cidade do Rio de Janeiro a Rio+20 - Conferencia das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. A Rio+20 é assim conhecida porque marca os vinte anos de realização da Rio-92 e deverá contribuir para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas. Espero que a bela paisagem e o clima tropical do Brasil inspirem a todos e tragam para o encontro uma atmosfera de ações reais, concretas, e acima de tudo, humanas. É justamente aqui que reside meu maior temor. O como essas “ações humanas” podem ser interpretadas.
 
Subproduto do metabolismo da Terra, somos uma das espécies existentes, mas a única com condições de agir sobre o coletivo e garantir aos seres futuros um planeta melhor, saudável e provedor.  

Por Thiago H. B. Corrêa, professor do curso técnico em Química do Colégio Porto dos Bandeirantes, Mestrando em Educação da Universidade Metodista de Piracicaba e aluno do curso de especialização em Ciência e Tecnologia na Universidade Federal do ABC. E-mail: [email protected]

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável
26 de Janeiro de 2022
Green Bond

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável

A emissão feita junto ao BID Invest, membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), foi no valor de USD 100 milhões

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos
26 de Janeiro de 2022
Transição

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos

Carla Argenta explicou que estamos em meio à transição energética e que processo não é simples

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares
27 de Janeiro de 2022
Investimento

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares

Em audiência, representantes de empresa apresentaram projeto de produção de módulos fotovoltaicos no país, que pode contar com apoio do PADIS

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade