AveSui
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Energia

A força da natureza: Além de preservar o ambiente, produção é um bom negócio

A Gazeta
16-Jan-2012 11:22 - Atualizado em 20/04/2016 14:42

"Energia é um grande negócio, não é apenas um insumo", avalia o diretor-geral da Agência Estadual de Serviços de Energia (Aspe), Luiz Fernando Schettino. Num planeta onde ainda há cerca de 1,4 bilhão de pessoas sem acesso à energia elétrica nas suas residências, a discussão, hoje, envolve considerar essa força como um negócio que merece investimentos público e privado, pesquisas e análises.

Às voltas com a preparação para iniciar o levantamento para o Atlas da Energia Solar no Estado, a Aspe discute, também, quais as melhores alternativas de geração de energia limpa e renovável existem para o Estado. O que é mais economicamente viável e ambientalmente indicado? Energia solar? Eólica? Biomassa?

O Estado importa 62% da energia elétrica que utiliza e gera os 38% restantes. Mas poderá ampliar sua geração a partir da conclusão dos projetos de termelétricas. Só que as usinas termelétricas não operam todo o tempo, mas apenas nos períodos que o Operador nacional do Sistema (ONS) determinar. No Estado, já são duas usinas prontas: uma movida a óleo combustível, em Viana; e outra a gás natural, em Linhares.

Projeto - Apesar das possibilidades de geração solar e eólica (já existe até um atlas dos ventos), o Estado avança mais em geração por biomassa e pequenas centrais hidrelétricas. O ainda alto custo dos equipamentos para explorar o vento e o desconhecimento sobre o potencial solar impedem investimentos mais significativos.

Hoje, o que existe em termos de aproveitamento do sol são instalações para uso da luz para aquecimento de água. "Claro que o uso do sol para gerar energia e calor é importante, mas antes é preciso conhecer o potencial de cada região para saber onde é mais viável usar esta alternativa", explica Schettino. A Aspe ainda está na fase de definição da empresa que fará o levantamento para o Atlas.

Outro segmento que merecerá novos estudos é o de biomassa que, incluindo bagaço de cana, restos de madeira (cascas e pó de serra) e oleoginosas para a produção de biodiesel.

Segundo Schettino, o Estado pretende ampliar os dados sobre o potencial no setor. "É preciso saber onde é viável plantar, quais variedades plantar e como transportar os restos de madeira, por exemplo", diz ele.

O consumo de energia no Estado deve crescer em função do crescimento econômico. O consumo total, em 2010, foi de 8.482.430 MW/h.

O gasto de energia foi de 1.812.511 MW/h no segmento residencial e 1.143.647 MW/h no comercial. Muitas indústrias, como Fibria, ArcelorMittal Tubarão geram a energia que gastam e ainda colocam no sistema o excedente.

Saiba mais

Renováveis - Em 2010, 44,8% da necessidade energética do país foi abastecida a partir de fontes renováveis. Para 2011, a previsão era de 46,3%. Pensando apenas em eletricidade, o índice é maior: 83%.

Demanda - A diferença entre eletricidade e demanda energética é que a eletricidade envolve a demanda de iluminação, aquecimento, refrigeração etc, enquanto que demanda energética envolve todos os fornecimentos para a indústria, por exemplo.

Investimento - Até 2020, o país precisará investir R$ 100 bilhões para manter os percentuais acima. Dos R$ 100 bilhões, 55% deverão ser para grandes centrais hidrelétricas e 45% para biomassa, energia eólica e pequenas centrais hidrelétricas.

Economia - Levantamento realizado no Estado mostra que existe potencial grande de economia de energia. O setor público é o que tem índice maior de potencial de redução: 17%, enquanto saneamento tem potencial de 15%; condomínios residenciais, 15%; comercial, 11%; e industrial, 6%.

Solar - O potencial de geração solar no mundo é de 17 terawatts (1 terawatt é igual a 1 milhão de megawatts). Até 2020, este potencial poderá chegar a 20 terawatts. Os estudiosos avaliam que a terra recebe do sol 120 terawatts por ano.

Hidráulico - O Brasil usa hoje somente 34% do seu potencial hidráulico, o que mostra que o país pode aumentar muito a geração por este meio.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável
26 de Janeiro de 2022
Green Bond

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável

A emissão feita junto ao BID Invest, membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), foi no valor de USD 100 milhões

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos
26 de Janeiro de 2022
Transição

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos

Carla Argenta explicou que estamos em meio à transição energética e que processo não é simples

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares
27 de Janeiro de 2022
Investimento

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares

Em audiência, representantes de empresa apresentaram projeto de produção de módulos fotovoltaicos no país, que pode contar com apoio do PADIS

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade